Setor de serviços move economia de Fortaleza, com participação de 77,78% do PIB

17 de julho de 2012

O setor de serviços é o que move a economia de Fortaleza, com uma participação de 77,78% do Produto Interno Bruto (PIB) municipal ( 2009), sendo o comércio uma das principais atividades com maior participação na renda gerada por pelo segmento. E isso pode ser comprovado pelo número de empresas comerciais, sobretudo as ligadas ao varejo. Outra atividade importante no setor de serviços é a administração pública, representando 12,8% do PIB. Os dados estão no IPECE/Informe nº 36 (julho de 2012), que tem como título “Perfil Municipal de Fortaleza – Tema III: Desempenho Econômico Recente em Termos de Produto, Renda e Comércio Exterior”.

O trabalho, que foi divulgado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) desta terça-feira (17), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado do Ceará, também revela que a indústria responde por 22,09% do PIB, sendo o ramo de transformação o mais representativo dos quatro que a integram (extrativa mineral, construção civil e serviços industriais de utilidade pública). O setor agropecuário é o que tem a menor participação, com 0,13%. Os dados foram divulgados (em entrevista coletiva) pelo diretor Geral do Ipece, professor Flávio Ataliba. O documento já pode ser acessado no www.ipece.ce.gov.br.

Entre 2002 e 2009, segundo o estudo, houve uma “ligeira desconcentração” da riqueza em direção ao interior do Ceará. De acordo com o professor Flávio Ataliba, isso por ser constatado pela queda da participação da economia de Fortaleza no total do Estado, quando sua participação no PIB estadual, a preços de mercado, passou de 49,66% em 2002, para 48,38%, em 2009. Em valores, a economia de Fortaleza gerou um PIB de R$ 31,8 bilhões e um PIB per capita de R$ 12.688. Em 2009, Fortaleza ocupava a nona colocação dentre as 27 capitais brasileiras e a décima posição em relação ao Brasil.

Já com relação ao PIB per capita, Fortaleza ocupava, em 2009, a 21a colocação dentre as demais capitais dos estados, a 5a posição entre os municípios cearenses e o 1.530º lugar frente aos demais municípios brasileiros. Em nível regional, desde 1999, início da divulgação do PIB dos Municípios, que Fortaleza detém a segunda economia da região Nordeste. Nesse ano, seu PIB medido em valores correntes era de R$ 10,39 bilhões, passando para R$ 31,79 bilhões, em 2009. Salvador liderava o ranking das capitais nordestinas, com uma economia estimada de R$ 32,82 bilhões em 2009. Na terceira posição encontrava-se Recife, com um PIB de R$ 24,83 bilhões. Entretanto em termos de PIB per capita, Recife tinha o maior valor, seguido de Fortaleza e Salvador.

RENDA

O estudo também faz uma análise do rendimento nominal médio (de todas as fontes) dos domicílios localizados nos municípios das capitais. Os valores mostram que Fortaleza perdeu posição relativa na década, apesar de ter apresentado um ganho nominal no valor do rendimento médio. Em 2000, a capital cearense apresentou o 19º maior rendimento entre as 27 capitais consideradas, mas, em 2010, o 24º rendimento médio, ficando na frente apenas de Florianópolis, Maceió e Belém.

Ao analisar as dez capitais mais populosas, constata-se que Fortaleza, em 2009, possuía o menor rendimento nominal médio mensal. “Trata-se um retrato do ano de 2010, que permite comparar o nível de renda entre as capitais. É uma informação importante na contextualização da cidade de Fortaleza perante as demais capitais do país. Vale ressaltar que essa informação também é influenciada pelo número de pessoas nos domicílios” – observa Eloísa Bezerra, coordenadora do documento..

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

Com relação às exportações, a Capital cearense manteve a mesma posição na participação do valor exportado dentre as capitais brasileiras na comparação dos anos de 2006 e 2011, tendo apresentado leve perda de participação no total das vendas do Estado, acompanhada de significativo aumento da concentração nas vendas por produto graças ao surgimento de novos e importantes artigos na pauta – informa Flávio Ataliba. Além disso, Fortaleza passou a ser a oitava capital do país a registrar maior participação nas exportações por estado e a terceira dentre as mais populosas na mesma comparação.

As importações de Fortaleza perderam participação no ranking de valor importado dentre as capitais brasileiras, tendo registrado também acentuado declínio no total das importações do Estado, acompanhada de uma intensa queda de concentração das importações por produto na comparação dos anos de 2006 e 2011. Apesar disso, Fortaleza continua sendo uma capital com forte concentração das importações por estado, ocupando a décima segunda colocação, sendo também a terceira dentre as capitais mais populosas.

17.07.2012
Assessoria de Imprensa do Ipece
Pádua Martins