Encontro mobiliza municípios para o controle da sífilis congênita

12 de setembro de 2013

“Nossos bebês não devem nascer com sífilis. Com esse alerta, a Secretaria da Saúde do Estado e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Ceará reunirão na sexta-feira (13), os gestores municipais da saúde no colóquio científico “Sífilis congênita: no Ceará não tem disso, não?”, que acontecerá das 8 horas às 12 horas, no Mareiro Hotel, Avenida Beira Mar, 2380, Meireles. Na abertura, será lançado o informativo para profissionais de saúde sobre o manejo de pacientes com sífilis congênita, produzido pela Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde da Sesa. O encontro vai mobilizar os secretários de saúde para melhorar a atenção pré-natal realizada pela atenção básica no diagnóstico e tratamento de gestantes com a doença.

 

Os casos de sífilis congênita preocupam. Em 2005 foram diagnosticados 366 casos no Ceará. Em 2012, o número de casos ficou em 936. Mais da metade de crianças com a doença, 502 no total, tiveram o diagnóstico somente no momento do parto ou pós-parto. Entre 70% e 100% das mulheres com sífilis não tratada ou tratada inadequadamente transmitem a doença para os seus bebês durante a gravidez. Os problemas relacionados à sífilis podem ser evitados com medidas de proteção e prevenção realizadas em um pré-natal de qualidade pelas equipes de saúde da família em cada município.

 

Apoio aos municípios

 

Com o foco da prevenção, o Ceará foi o primeiro estado brasileiro a universalizar, em 2010, os dois testes de HIV e sífilis para gestantes no pré-natal. A universalização do exame foi possível com a aquisição de equipamentos para os Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen), unidades da rede estadual de saúde que realizam os testes. A Sesa realizou capacitações para a aplicação do novo teste rápido de HIV e sífilis, que diminui o risco de falso positivo. Para avançar no tratamento da doença, em 2012 a Secretaria distribuiu kits de reação anafilática por penicilina a 183 municípios para o tratamento de possíveis reação alérgica em pacientes com sífilis.

 

A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum e pode se manifestar de forma temporária, em três estágios. Os principais sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença. Com o desaparecimento dos sintomas, o que acontece com frequência, as pessoas se despreocupam e não buscam diagnóstico e tratamento. Sem o atendimento adequado, a doença pode comprometer a pele, os olhos, os ossos, o sistema cardiovascular e o sistema nervoso. Se não tratada, pode até levar à morte.

 

Além da transmissão vertical (de mãe para filho), a doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado e por transfusão de sangue contaminado. O uso da camisinha em todas as relações sexuais e o correto acompanhamento durante a gravidez são meios simples, confiáveis e baratos de prevenção.

 

12.09.2013

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira / Marcus Sá (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 – 3101.5221)

Twitter: @SaudeCeara

www.facebook.com/SaudeCeara