Governo do Estado comemora Dia do Ceará com atividades em Aquiraz e Fortaleza

16 de Janeiro de 2014

O Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, comemora na sexta-feira (17) os 215 anos de emancipação do Estado. A programação comemorativa ao Dia do Ceará será realizada no município de Aquiraz, primeira capital do Estado, com abertura oficial às 16 horas, na Praça da Matriz, tendo apresentação da banda municipal, e em Fortaleza, com a exposição fotográfica sobre a feitura de rabeca pelo Mestre Vino, luthier de Irauçuba, no Museu do Ceará.

 

O dia 17 de janeiro faz parte do calendário oficial de eventos do Estado por meio da Lei nº 13.470, de 18 de maio de 2004, que instituiu a data comemorativa que referencia o dia em que o Ceará ganhou autonomia da Capitania de Pernambuco, em 1799.
A emancipação do Ceará foi garantida por Carta Régia assinada pela Imperatriz de Portugal, D. Maria I, em virtude do crescimento populacional e econômico que a antiga capitania do Ceará apresentava em 1799. A lei estadual determina a realização anual de um evento oficial em Aquiraz, primeira capital do Estado, por ocasião da data. Além disso, órgãos e entidades da administração estadual, assim como as escolas da rede pública estadual de ensino, devem promover o Dia do Ceará.

 

Momentos históricos

 

Em 1817, os cearenses, liderados pela família Alencar, apoiaram a Revolução Pernambucana. O movimento, que se restringiu ao Cariri, especialmente na cidade do Crato, foi rapidamente sufocado. Em 1824, após a independência, foi a vez dos cearenses das cidades do Crato, Icó e Quixeramobim demonstrarem sua insatisfação com o governo imperial. Assim eles aderiram aos revoltosos pernambucanos na Confederação do Equador.

 

No século XIX, vários fatos marcaram a história do Ceará, como o fim da escravidão no Estado, em 25 de março de 1884, antes da Lei Áurea, assinada em 1888. O Ceará foi, portanto, o primeiro estado brasileiro a abolir a escravidão. Um cearense se destacou nessa época: o jangadeiro Francisco José do Nascimento, que se recusou a transportar escravos em sua jangada. José do Nascimento ficou conhecido como Dragão do Mar, atualmente nome do maior centro cultural do Estado, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza.

 

Entre 1896 e 1912, o comendador Antônio Pinto Nogueira Accioly governou o Estado de forma autoritária e monolítica. Seu mandato ficou conhecido como a política aciolina, que provocou o surgimento de diversos movimentos messiânicos, alguns deles liderados por Antônio Conselheiro, Padre Ibiapina, Padre Cícero e o beato Zé Lourenço. Os movimentos foram uma forma que a população encontrou de fugir da miséria pela qual passava a região. Foi também nessa época que surgiu o movimento do cangaço, liderado por Lampião.

 

Nos anos 30, cerca de três mil pessoas se reuniram, sob a liderança do beato Zé Lourenço, na região no sítio Baixa Danta, em Juazeiro do Norte. O sítio prosperou e desagradou a elite cearense. Em setembro de 1936, a comunidade foi dispersa e o sítio incendiado e bombardeado. O beato e seus seguidores rumaram para uma nova comunidade. Alguns moradores resolveram se vingar e prepararam uma emboscada, que culminou num verdadeiro massacre. O episódio ficou conhecido como “Caldeirão”.

 

Nos anos 40, com a Segunda Guerra Mundial, foi montada uma base norte-americana no Ceará mudando os costumes da população, que passou a realizar diversos manifestos contra o nazismo. Também na mesma década, o governo, a fim de estimular a migração dos sertanejos para a Amazônia, realizou uma intensa propaganda. Esse contingente formou o “Exército da Borracha”, que trabalhou na exploração do látex das seringueiras. Milhares de cearenses migraram para o Norte e acabaram morrendo no combate entre Estados Unidos e Aliados com os exércitos do Eixo, sem os seringais da Ásia para abastecê-los.

 

Mestre Vino, o luthier de Irauçuba

 

A exposição no Museu do Ceará é composta por treze fotografias de Francisco Sousa, com curadoria e apresentação do professor Gilmar de Carvalho, incluindo ainda a apresentação de um vídeo de 15 minutos que conta o passo a passo da arte de Mestre Vino, produzido por Darwin Brandão, Helena Martins, Igor Caracas e Chico Célio Vieira. “Silvino Veras d’Ávila (1917-2013). Mestre Vino foi dos mais importantes e atuantes fabricantes de rabeca que o Ceará já teve. Começou como carpinteiro, fazendo telhados, portas, móveis e aviamentos para casas de farinha. Depois, teve a ideia de construir uma rabeca, porque um primo comprou um instrumento, e ele quis também fazer a festa. Fez tantas que perdeu a conta. Tocou nos reisados, acompanhando as danças de São Gonçalo e as “mungangas” dos mamulengos que se apresentavam pelo sertão. Foi na luteria (arte de fabricar rabecas) que ele deixou sua grande marca. Fez rabecas que se espalharam por todo o Ceará. Usava umburana, recorria a instrumentos precários, tinha suas formas e moldes. Mestre Vino tinha um jeito muito especial de fazê-las. Depois de prontas, vinha seu toque mais especial: espremia uma esferográfica de cor vermelha e misturava a tinta com o verniz. Era sua marca registrada, uma espécie de assinatura das rabecas que fazia.

 

Serviço
Comemorações do Dia do Ceará
Data: Sexta-feira, 17 de janeiro
Programação

Em Aquiraz
Local: Praça da Matriz
9h – Visita guiada ao Museu Sacro São José de Ribamar
16 horas – Abertura com a banda de Música de Aquiraz (executando dobrados e MPB)
16h30min – Execução dos Hinos de Aquiraz, do Ceará e do Hino nacional
16h45min – Hasteamento das bandeiras de Aquiraz, do Ceará e do Brasil
17 horas – Homenagem e entrega da Medalha Capitão Mor
17h15min – Palavra do Secretário de Cultura do Estado, do Prefeito de Aquiraz e do Governador do Estado do Ceará
18 horas – Missa na Igreja Matriz de São José de Ribamar
19 horas – Apresentação do humorista Gil Soares
19h30 – Apresentação de Grupo de Cultura Tradicional Popular do Ciclo Natalino

Em Fortaleza
Exposição fotográfica sobre a feitura de rabeca pelo Mestre Vino, luthier de Irauçuba
Local: Museu do Ceará – Rua São Paulo, 51 – Centro
Horário: 9 às 17 horas

 

16.01.2014

 

Assessoria de Comunicação da Secult
Sonara Capaverde (85) 3101.6761
imprensa@secult.ce.gov.br