Ceará é destaque no Registro Brasileiro de Transplantes

12 de Março de 2014

O desempenho e os sucessivos recordes registrados pelo Ceará mereceram o reconhecimento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), na mais nova edição do Registro Brasileiro de Transplantes (RBT) – Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2006-2013). “Atualmente, nenhum cearense precisa deslocar-se para as regiões Sudeste ou Sul para a realização de qualquer transplante, graças ao empenho do Governo do Estado, da Secretária da Saúde, da equipe da Central de Transplantes, das comissões intra-hospitalares, organizações de procura de órgãos (OPO) e equipes transplantadoras, que se desdobram para que os transplantes sejam realizados em condições adequadas e de segurança”, destaca a publicação. Até bem pouco tempo no Ceará não eram realizados transplantes de pulmão e medula óssea. Era preciso os pacientes saírem do Estado para hospitais do Sul e Sudeste, mas desde 2011 o Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart, do Governo do Estado, realiza transplantes de pulmão. O Ceará é o único Estado das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que faz transplante de pulmão. Antes, em 2008, o Hemoce, numa parceria com o Hospital Universitário, iniciou a realização de transplante de medula autólogo, e em fevereiro deste ano inovou mais uma vez, fazendo o primeiro transplante de medula alogênico. Em 2009, outro hospital do Governo do Estado, o Hospital Geral de Fortaleza (HGF) passou a fazer transplantes de pâncreas.

 

Depois de superar a marca de 1.295 transplantes de 2011, o Ceará fechou o ano de 2013 com um total de 1.361 transplantes de órgãos e tecidos realizados, estabelecendo novo recorde desde a implantação da Central de Transplantes da Secretaria da Saúde do Estado, em 1998. De acordo com os números finais da Central de Transplantes, em todo o ano passado foram realizados 250 transplantes de rim de doador falecido, 15 de doador vivo, 10 de rim/pâncreas, 30 de coração, 194 de fígado, 8 de pulmão, 55 de medula óssea, 9 de valva cardíaca, 762 de córnea, 27 de esclera e um de osso. Em 2013, o Estado registrou também novos recordes de transplantes de fígado, pulmão e medula óssea.

 

Pelo terceiro ano consecutivo, o Ceará se mantém em terceiro lugar entre todos os estados brasileiros em número de doadores efetivos por milhão da população (pmp), indicador que cresce ano a ano no Estado, conforme a nova edição da revista da ABTO. A meta do país em 2014 é chegar aos 15 doadores pmp, número já superado pelo Ceará em 2011. Foram 17,5 doadores pmp naquele ano, 21,4 em 2012 e 22,2 no ano passado, quando foram notificados 527 potenciais doadores e 188 se tornaram efetivos. “Na taxa de doadores efetivos, destacaram-se, além do Distrito Federal (33,1 pmp), com suas particularidades, Santa Catarina (27,2 pmp) e Ceará (22,2 pmp), assinala o RBT.

 

1º em fígado

Em 2013, o Ceará foi o maior transplantador de fígado por milhão da população, também pelo terceiro ano consecutivo, e segundo em números absolutos de transplantes. “Apenas Ceará (23,0 pmp) e Distrito Federal (20,6 pmp) ultrapassaram a barreira dos 20 transplantes pmp”, registra a ABTO. Em transplantes de coração, o Estado foi segundo em números absolutos e relativos. Foram realizados 30 transplantes do órgãos em 2013 e 3,4 pmp. São Paulo fez 103 transplantes e o Distrito Federal 11,3 pmp. O Ceará começou a fazer transplantes de pulmão em 2011 e, no ano passado, ficou em terceiro do Brasil em número absoluto de transplantes, com oito procedimentos, e em segundo em número absoluto, com 0,9 pmp. São Paulo realizou 37 transplantes. Com 31 transplantes realizados, o Rio Grande do Sul ficou com a melhor taxa pmp, de 2,9 transplantes pulmonares em 2013.

 

12.03.2014

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara