Depósitos com água devem ser fechados para evitar transmissão da Dengue

20 de fevereiro de 2015

Economia e armazenamento de água estão na ordem do dia diante do quadro de chuvas irregulares no Ceará. Acumular água, seja da chuva ou de outras fontes, para o consumo humano e de animais, e para os afazeres domésticos, exige cuidados para evitar a multiplicação do mosquito que transmite a dengue e a febre Chikungunya. Baldes, potes, quartinhas, bacias, camburões e outros recipientes que guardam a água de beber e para outros usos domésticos, assim como a  caixa d’água, devem ser mantidos limpos e fechados para evitar o risco de proliferação do Aedes aegypti, que deposita os ovos em criadouros com água limpa e parada. Para impedir a desova, é fundamental eliminar todos os potenciais focos do mosquito transmissor. Se isso não for possível, é necessário que todos os locais de armazenamento de água sejam mantidos bem fechados e protegidos com telas e tampas adequadas. É importante ressaltar que o tratamento da água não substitui a necessidade de remoção e proteção dos potenciais criadouros do Aeds aegypti.

 

Os ovos da fêmea do mosquito são depositados nas paredes do criadouro, bem próximo à superfície da água, porém não diretamente sobre o líquido. Daí a importância de lavar, com escova ou palha de aço, as paredes dos recipientes que não podem ser eliminados, onde o ovo pode permanecer grudado. Em condições ambientais favoráveis, após a eclosão do ovo, o desenvolvimento do mosquito até a forma adulta pode levar um período de 10 dias. Por isso, a eliminação de criadouros deve ser realizada pelo menos uma vez por semana. Assim, o ciclo de vida do mosquito será interrompido. Além desse cuidado, é preciso evitar que água de chuva se acumule sobre a laje, guardar garrafas sempre de cabeça para baixo, encher até a borda os pratinhos dos vasos de planta, eliminar adequadamente o lixo que possa acumular água, como pneus velhos, latas, recipientes plásticos, tampas de garrafas, copos descartáveis e até cascas de ovos.

 

Fumacê

Para auxiliar no controle da dengue, a Secretaria da Saúde do Estado inicia nesta segunda-feira, 23 de fevereiro, a segunda fase da operação de pulverização espacial UBV pesado (fumacê) em 21 municípios. Como foi feito antes do Carnaval, serão utilizados dez equipamentos Ultra-Baixo Volume (UBV) pesado acoplado em veículos e duas equipes de UBV portátil (costal motorizado) para cobrir um total de 7.739 quarteirões, até o dia 28. Em Fortaleza serão cumpridos oito itinerários em oito bairros.  Cais do Porto, Jacarecanga, Mucuripe, Praia de Iracema, Praia do Futuro I, Praia do Futuro II, Meireles, Varjota e Vicente Pinzon. Na capital serão cobertos 1.240 quarteirões. A orientação aos moradores é para que abram às janelas durante a passagem do fumacê para que o inseticida possa agir e eliminar os mosquitos adultos.

 

Além de Fortaleza, a operação vai percorrer os municípios de Aquiraz, Pindoretama, Aracati, Itaiçaba, Icapuí, Fortim, Beberibe, Cascavel, Jijoca de Jericoacoara, Acaraú, Itarema, Cruz, Amontada, Itapipoca, Trairi, Paraipaba, Paracuru, São Gonçalo do Amarante, Caucaia e Camocim, com cobertura de fumacê nas sedes dos municípios e praias do Litoral Leste e Litoral Oeste. O fumacê, nome popular para a Pulverização espacial UBV, é um procedimento que consiste na liberação via aérea de gases, que agem, por contato, atingindo os mosquitos adultos em voo. Cerca de 90% dos focos do Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, são encontrados dentro de casa.

 

Foram notificados este ano 2.262 casos suspeitos de dengue em 91 municípios do Estado. Conforme o boletim epidemiológico divulgado na sexta-feira, 13 de fevereiro, foram confirmados 344 casos em 37 municípios. Com relação aos casos graves, foram confirmados nove casos de Dengue com Sinais de Alarme em sete municípios.

 

 

20.02.2015

 

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá /  (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 8733.8213)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara