Municípios com mobilização contra mosquito têm ponto extra no Selo Unicef

17 de fevereiro de 2016

Os municípios que comprovarem que estão desenvolvendo ações efetivas de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika, terão um ponto extra na avaliação para recebimento do Selo Unicef. As ações poderão ser vistas e compartilhadas por todos em todo o mundo. As primeiras postagens, com as ações e documentos comprobatórios dos municípios já começam a partir da próxima semana, com atuação direta do Governador Camilo Santana nas plataformas desenvolvidas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância e Adolescência (unicef), através do www.unicef.org.br, segundo informou o coordenador do Unicef no Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte, Ruy Aguiar. Os municípios têm até o dia 31 de julho para postarem as experiências e documentos comprobatórios de ações intersetoriais.

“Com as ações de combate ao mosquito feitas pelos municípios sendo consideradas uma estratégia para avaliação e concessão do Selo, o Unicef contribui para dar constância ao trabalho de mobilização”, afirmou o secretário da saúde do Estado, Henrique Javi, na manhã desta quarta-feira, 17, durante abertura do último ciclo de capacitação de gestores e técnicos municipais, com a participação de adolescentes, da edição 2013/ 2016 do Selo Unicef Município Aprovado. “Além da necessidade de serem constantes, sem descuidar nenhum dia dos cuidados com tudo que pode permitir que o mosquito nasça e se desenvolva, as ações precisam ser intersetoriais”, acrescentou o secretário.

Tati Andrade, gestora de programas do Unicef para o Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, destacou que “o combate à proliferação do mosquito é mais uma estratégia que pode ser escolhida pelos municípios entre as 28 ações estratégicas trabalhadas no Selo”. A nova ação não altera as regras do Selo. Permanece a necessidade de cada município atingir 19 pontos. A capacitação do último ciclo de capacitação da edição do Selo 2013/2016 prossegue nesta quinta-feira, 18, no auditório Celso Furtado, do Banco do Nordeste, Avenida Pedro Ramalho, 5.700,

“O Unicef, que tem como missão promover os direitos e o bem-estar das crianças, está integralmente comprometido com esse desafio de enfrentar o mosquito”, disse Tati Andrade. No Ceará, há 1 óbito de uma criança com microcefalia relacionado à zika. Há 24 casos confirmados de microcefalia, de novembro do ano passado até agora, sendo investigados se há relação com a zika. E como falou a presidente da Associação das Primeiras Damas, “só com as políticas públicas não se combate o mosquito. Se não tiver a participação do cidadão, se não houver consciência cidadão e coletiva, não vamos consequir eliminar essa mazela”.

O QUE FAZER PARA NÃO DEIXAR O MOSQUITO NASCER

– Limpar o quintal, no mínimo uma vez por semana, retirando todo o lixo.
– Não acumular nos quintais móveis velhos, eletrodomésticos ou qualquer objeto que possa acumular água.
– Colocar o lixo em saco. Amarrar o saco. Só colocar na calçadas nos dias de coleta.
– Nunca jogar lixo nas ruas. Até numa tampinha de refrigerante o mosquito pode se multiplicar.
– Deixar as calhas sempre limpas.
– Os pneus usados devem ficar em locais cobertos para não juntar água.
– Antes de armazenar água, lavar bem, com sabão e escova, os baldes, bacias e potes. É preciso tampar todos os depósitos de água.
– Evitar cultivo de plantas com água. Água acumulada, por menor que seja a quantidade, é um risco para a criação do mosquito.
– Manter os ralos limpos telados, com os aparelhos sanitários sempre fechados.
– Receber o Agente de Endemias em sua residência.

17.02.2016

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Giselle Dutra
Gestora de Célula / Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br / (85) 3466.4898