Internos têm realidade transformada através de títulos de alfabetização

19 de fevereiro de 2016

O projeto MOVA-Brasil e a Sejus entregaram na última quinta-feira (18) certificados de alfabetização para internos que não sabiam ler nem escrever

Qual a sensação de quem não sabe ler nem escrever o próprio nome? Quais as oportunidades existentes para uma pessoa que não começou os estudos e está hoje privado de liberdade? Esses questionamentos ecoam no universo das unidades Ralfabet2prisionais. E os números do último Censo Prisional reforçam essas indagações: 10% da população carcerária é analfabeta e a maioria dos internos (52%) tem o Ensino Fundamental incompleto.

Mas esta realidade está sendo transformada. Na última quinta-feira (18), graças à parceria da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) e do projeto MOVA-Brasil, 21 internos do sistema penitenciário receberam o certificado de alfabetização. Desde agosto, eles tinham aulas nas unidades de Caucaia e CPPL I.

Ralfabet3A prova dessa centelha de mudança no sistema é a experiência do interno A. J. R., de 26 anos. Alfabetizado dentro da unidade de Caucaia, ele indica que o seu olhar se abriu para o mundo. “Ler pela primeira vez é como se a gente fosse cego e começasse a enxergar. Sei assinar meu nome, estou mais do que feliz por isso”. Ele conta que vivia pulando de escola em escola e que não frequentava as aulas, mesmo com a insistência e matrículas feitas por sua mãe. “Descobri lá fora como é desonroso não saber ler nem escrever”, conta.

Para o secretário da Justiça e Cidadania, Helio Leitão, os projetos que envolvem educação dentro do sistema são uma forma de dar alternativa às pessoas que estão privadas de liberdade. “Temos como diretriz a humanização do sistema penitenciário e a educação é o carro chefe. É isso ou elas voltam à sociedade com alta probabilidade de reincidirem no crime. Estamos valorizando o ser humano e dando a possibilidade de inclusão. Isso é inédito na gestão penitenciária no Ceará”, diz o secretário.

Maria Gisélia Lopes, professora, concorda que está na educação a “tábua de salvação” desses internos. Ela também destaca que a força de vontade deles foi o ponto fonte do processo de aprendizagem. “Eu os encorajava, mas eles se superavam, apesar de todas as dificuldades no dia a dia deles”. A professora aponta para o futuro e já tem desejos grandiosos para seus ex-alunos. “Quero vê-los futuramente na faculdade, ainda com amor aos estudos. E eu me orgulho muito de ter plantado essa semente”.

As aulas continuam acontecendo dentro das unidades prisionais a partir de março e a EEFM Aloísio Leo Arlindo Lorscheider assumirá o projeto de alfabetização nas salas de aula. Também terão continuidade as aulas que têm como foco o Exame Nacional do Ensino Médio, dando oportunidade para que mais alunos voltem a “enxergar”.

19.02.2016

Camille Soares
Assessora de Imprensa da Secretaria da Justiça e Cidadania
85 3101.2862
ascom.sejus@gmail.com

Caroline Avendaño
Assessora de Imprensa da Secretaria da Educação
85 3101.3972 | 98893.6983
caroline.avendano@seduc.ce.gov.br

Ciro Câmara
Gestor de Célula/Secretarias

Sabrina Lima
Gestora de Célula/Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado do Ceará
Casa Civil / (85) 3466.4898