Ação pioneira identificará doentes crônicos de Chagas no Ceará

27 de junho de 2016

A Secretaria da Saúde do Estado realizará nos dias 28 e 29 de junho a Oficina de Atualização para Implementação da Vigilância Epidemiológica da Doença de Chagas, com o objetivo de organizar a rede para identificação dos pacientes crônicos e encaminhá-los ao serviço de saúde. Em uma ação de vigilância pioneira no país, a rede buscará saber quantos são e onde estão os doentes crônicos de Chagas no Ceará, a partir da articulação das fontes de diagnóstico laboratorial da doença. A oficina acontecerá no Auditório Waldir Arcoverde, Avenida Almirante Barroso, 600, Praia de Iracema, das 13 às 17 horas de terça-feira, dia 28, e das 8h30 às 17 de quarta-feira, 29.

Com a abordagem de temas como a vigilância epidemiológica e entomológica, hemovigilância, diagnóstico laboratorial e serviço de atenção farmacêutica aos portadores de doença de Chagas, a oficina terá a participação de técnicos do Núcleo de Atenção Primária da Sesa, da vigilância epidemiológica e farmacêutica das coordenadorias regionais de Saúde (CRES), do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), do Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen) e do Laboratório da Doença de Chagas da Universidade Federal do Ceará (UFC). Participarão, também, técnicos dos núcleos de vigilância epidemiológica e laboratórios do Hospital São José de Doenças Infecciosas (HSJ), Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC), Hospital Geral de Fortaleza (HGF), Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), Hospital Geral Waldemar Alcântara (HGWA), da rede pública estadual, e Hospital Universitário Walter Cantídio.

Em fevereiro deste ano, para reforçar as ações de combate ao barbeiro, inseto transmissor da doença de Chagas, a Secretaria da Saúde do Estado realizou a Oficina de Implantação da Rede de Monitoramento da Suscetibilidade das Populações Triatomínicas Brasileiras aos Inseticidas, para coordenadores de endemias e supervisores de campo dos 25 municípios com alto risco para transmissão vetorial da doença. Em 2006 foi registrado no Ceará surto da doença de Chagas no município de Redenção, com oito casos identificados por transmissão oral, pela ingestão de alimento infectado. Em 2008 foi registrado um caso em Sobral, no mês de março, por transmissão vetorial.

A doença de Chagas é a infecção causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi. Apresenta uma fase aguda que pode ser identificada ou não e tendência à evolução para as formas crônicas, caso não seja tratada precocemente com medicamento específico. O Trypanosoma cruzi é transmitido no ato de alimentação do vetor (transmissão vetorial clássica). Assim que o barbeiro termina de se alimentar, ele defeca, eliminando os protozoários e colocando-os em contato com a ferida e a pele da vítima. A doença de Chagas também pode ser transmitida por transfusão de sangue ou durante a gravidez, da mãe contaminada para o filho. Outro modo de transmissão é pela ingestão de alimentos contaminados com vetores triturados ou com seus dejetos.

A doença crônica é majoritariamente benigna, não trazendo maiores problemas para sete em cada dez portadores. Nos outros três podem ocorrer problemas cardíacos, digestivos ou neurológicos, nessa ordem de frequência. No Brasil a cardiopatia da doença de Chagas é uma importante causa de morte entre adultos de 30 a 60 anos e uma grande causa de implante de marcapasso cardíaco e de transplante de coração. Estima-se que existam aproximadamente 12 milhões de portadores da doença crônica nas Américas, cerca de 2 a 3 milhões no Brasil.

27.06.2016

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Assinatura coornenadoria matérias