HGF garante atendimento a pacientes com Alzheimer

21 de setembro de 2016

“Há 5 anos a minha tia começou a apresentar um comportamento diferente. Ela começou a fazer coisas repetidamente e nós já ficamos em alerta e logo levamos ao médico, foi quando descobrimos a doença de Alzheimer”. Relatos como esse não são uma exclusividade de Paulo Candeia Filho, sobrinho de Maria do Socorro Cunha, de 83 anos, uma das pacientes atendidas no ambulatório de neurologia do Hospital Geral de Fortaleza (HGF). Para melhorar a compreensão de cenas como essas, se celebra neste 21 de setembro o Dia Mundial de Conscientização da Doença de Alzheimer.

 

Maior hospital da rede pública do Governo do Estado do Ceará, o HGF é uma das unidades estaduais que garantem um atendimento especializado para o tratamento da doença. Somente no ano de 2015, o HGF realizou 517 atendimentos para Alzheimer. No primeiro semestre de 2016 foram recebidos 229 pacientes no ambulatório neurológico. O acompanhamento é feito todas as terças-feiras, das 7 as 12 horas, sempre por uma equipe composta por três médicos, cinco residentes e dois internos. A neurologia é uma das especialidades com o maior número de atendimentos no HG. Além dos pacientes com a doença de Alzheimer, o ambulatório também realiza atendimento de pacientes que sofrem de epilepsia, cefaleia, AVC, esclerose múltipla, Parkinson, doenças desmielinizantes, miastenias graves, toxina botulínica, neuromuscular dentre outras.

 

As dificuldades impostas pela doença parecem não abalar dona Maria do Socorro, que apesar de falar pouco tem uma simpatia que contagia toda a família. Socorro viu a doença se manifestar a partir de 2011 e desde então tem constantemente a companhia do sobrinho Paulo e da cunhada Carmen Lúcia Abreu, até durante o tratamento realizado no HGF. “A gente sabe que essa é uma doença muito difícil. Até hoje eu procuro entender mais como funciona, pra poder ajudar ela, que é uma pessoa muito boa”, explica a cunhada.

 

banner materia hgf Prevenção

 

Para o neurologista Glauber Ferreira, as pessoas têm que mudar seus hábitos de vida hoje para que, quando atingirem idade avançada, cheguem mais saudáveis. “Somos a consequência das nossas escolhas ao longo da vida. Então, quanto mais cedo se prevenir, menor será a chance de adquirir problemas”, opina o especialista, ao encontro do que pensa o neurocirurgião Norberto Frota: “Para mim, como médico, a prevenção do Alzheimer ainda é o melhor tratamento”.

 

O Alzheimer é uma doença que podemos prevenir, ou pelo menos prolongar por alguns anos o estado de bem-estar cognitivo. Os médicos recomendam aprender a detectar os primeiros sintomas e exercitar tanto a memória quanto a função intelectual. Alguns dos conselhos para prevenir ou retardar o aparecimento do Alzheimer são: adotar uma dieta mediterrânea, praticar 30 minutos de exercício por dia, dormir 8 horas por noite e manter a pressão arterial controlada.

 

Doença de Alzheimer

 

O Alzheimer é uma doença que afeta o funcionamento do cérebro de modo lento e progressivo. É também a forma mais comum de demência (síndrome em que as pessoas perdem a habilidade de lidar com as coisas do dia a dia), caracterizada pelo comprometimento de duas ou mais funções cognitivas, como memória, linguagem, raciocínio lógico, planejamento, habilidade visual e espacial, graves o suficiente para interferir nas atividades da vida cotidiana da pessoa.

 

É comum os sintomas da síndrome aparecerem em pessoas mais velhas, por volta dos 65 anos, mas em poucos casos ela aparece em pessoas com 50 anos. A doença começa a aparecer de 10 a 15 anos antes de qualquer sintoma, e uma das habilidades que é mais afetada é a memória. Atualmente não existe nenhum exame específico para a confirmação da doença. O diagnóstico é feito através de todo o acompanhamento que o médico faz junto com exames para descartar outros tipos de doença, pois geralmente outras agravos surgem com o Alzheimer.

 

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza vários medicamentos capazes de retardar o processo da doença e minimizar os distúrbios de humor e comportamento que surgem. O objetivo do tratamento medicamentoso é propiciar a estabilização do comprometimento cognitivo, do comportamento e da realização das atividades da vida diária (ou modificar as manifestações da doença), com um mínimo de efeitos adversos.

 

Serviço:
Ambulatório de neurologia do HGF
Contado: (85) 3101-3160
Funcionamento: Todas as terças-feiras, das 7 às 12 horas.

 

21.09.2016

 

Foto: Assessoria de Comunicação do HGF

 

Assessoria de Comunicação do HGF
Débora Morais
(85) 3101.7086 / 98726.1212
debora.morais@hgf.ce.gov.br
Twitter: @Hospital_HGF

 

Expediente imprensa2-01