Setembro Verde: Karen, de nove anos, tem nova vida após transplante de coração

27 de setembro de 2016

Mãe e filha viveram durante seis meses um misto de sentimentos que envolveu amor, fé, angústia, ansiedade, medo, até desespero. Tudo por conta da espera de um “sim” para a doação de um coração que salvaria a vida de Karen Isabelly, de apenas nove anos. A menina, de Vitória, Espírito Santo, era portadora de uma miocardiopatia, descoberta quando ela tinha três anos. A doença evoluiu para uma miocardiopatia restritiva e Karen viajou com a mãe, Joelma Rodrigues, para o Ceará, em busca de uma cirurgia no setor de Pediatria do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, da rede pública do Governo do Ceará, referência nas regiões Norte e Nordeste no atendimento a crianças cardiopatas. “Quando chegamos, imediatamente ela foi submetida ao exame ecocardiograma e foi diagnosticado que o caso era indicação para o transplante”, conta a mãe de Karen. “Foram momentos angustiantes enquanto aguardávamos a doação para o transplante. Parecia que esse dia tão esperado não ia chegar”, lembra Joelma Rodrigues, que veio morar com parte da família em Fortaleza para o tratamento da filha.

O sim foi dito pela sensibilidade de uma família que, ao perder um ente muito querido, conseguiu enxergar que a doação pouparia a vida de outras pessoas. Após uma espera de seis meses, Joelma Soares Rodrigues teve o sinal de que tudo poderia mudar e que poderia continuar vivendo ao lado da filha. “Quando tive a notícia foi uma explosão de sentimentos”, revela a mãe de Karen. Os órgãos doados também salvaram a vida de outros pacientes, como a adolescente Sara Souza Sales, de 20 anos, que recebeu dois pulmões.

banner transplante hm3Karen Isabele vivia com muitas restrições, cansava muito, tossia e expelia plaquetas de sangue. Não podia brincar e ter uma via normal como as outras crianças. Meiga, doce, vaidosa, agora ela anda com um sorriso no rosto. “Hoje posso brincar, correr, andar de bicicleta, pular no pula-pula, coisas que antes eu tanto sonhava em fazer”, conta, entusiasmada. Karen continua morando em Fortaleza com a família e aguarda alta para retornar à cidade de Vitória. “O transplante de Karen foi um sucesso. Ela está super bem, já em casa, e continua sendo acompanhada semanalmente por uma equipe multidisciplinar do Hospital de Messejana”, relata a médica Isabel Cristiana, que acompanha Karen desde que chegou ao Hospital.

Atualmente, dez pacientes aguardam na fila por um transplante de coração no Hospital de Messejana. Cinco são crianças.

27.09.2016

Assessoria de Comunicação do Hospital de Messejana
Stella Magalhães – (85) 3101-4092

Expediente imprensa2-01