Hospital de Messejana é referência em transplante pulmonar

28 de junho de 2017 # #

Assessoria de Comunicação do Hospital de Messejana Milena Fernandes (85) 3101-4092 / 988413091 Fotos: Assessoria de Comunicação do HM

Pacientes com doenças respiratórias graves, como fibrose pulmonar, fibrose cística e enfisema pulmonar, que antes não tinham alternativa de tratamento e sofriam com a certeza de uma expectativa de vida curta, têm a oportunidade de realizar transplante de pulmão sem precisar viajar para São Paulo ou Rio Grande do Sul. O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, do Governo do Ceará, faz transplante de pulmão há seis anos.

O primeiro transplante de pulmão das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país foi realizado pela equipe do Hospital de Messejana, coordenada pelo cirurgião torácico Antero Gomes Neto, em junho de 2011. Ele lembra que a primeira cirurgia foi um grande marco para o atendimento aos pacientes com graves problemas respiratórios. “Antes, esses pacientes não tinham alternativa de tratamento, principalmente quem não tinha condições financeiras de viajar para outro estado do país, agora têm à disposição um serviço de alta qualidade para o tratamento”, enfatiza.

Nesses seis anos já foram realizados 38 transplantes de pulmão. Atualmente, cinco pessoas estão na fila, aguardando a doação do órgão. A equipe do Programa de Transplante de Pulmão do HM já soma várias vitórias. “Temos muito o que comemorar já que esse tipo de transplante é um dos mais delicados por conta do alto índice de complicações e mortalidade”, diz Antero Gomes Neto.

Segundo o coordenador do serviço, além do Ceará, apenas os estados de São Paulo e do Rio Grande do Sul são referências em transplantes de pulmão no Brasil. Os bons resultados conquistados pela equipe do Hospital de Messejana devem-se a alguns fatores, entre eles, a qualidade, competência e dedicação da equipe médica e multidisciplinar do Hospital. “Antes de fazer transplantes de pulmão, criamos a Residência em Cirurgia Torácica, que existe há 15 anos aqui no Hospital. Isso tudo nos torna referência na assistência e no ensino”, comemora.

O cirurgião ressalta a importância do atendimento especializado e acompanhamento da família para garantir a tempo o encaminhamento do paciente que está em condições de ser submetido a um transplante com segurança. “Eles precisam ser encaminhados cedo para o Hospital de Messejana. Quando encaminhados tardiamente se perde o momento do transplante. Ou seja, se o paciente tem doença pulmonar grave, como fibrose ou enfisema e está evoluindo cada dia mais cansado, ele deve ser encaminhado para o transplante antes que seja tarde demais”, explica Antero.

A dona de casa Maria de Jesus Moraes da Hora, 42, maranhense, foi diagnosticada com fibrose pulmonar em 2013. A recomendação médica foi a realização de um transplante aqui em Fortaleza, no Hospital de Messejana. “Lá na minha cidade, em São Luiz, o médico me disse que se eu quisesse continuar a viver teria que vir para Fortaleza e ficar na fila do transplante. Um mês depois, eu já estava aqui. Fiquei na fila por dois anos, usando oxigênio e sendo acompanhada pela equipe do hospital. O transplante aconteceu em 2015. Eu costumo dizer que nasci de novo, ganhei vida nova e agora eu posso respirar normalmente, tomar banho sem ficar cansada e realizar as tarefas domésticas. Tudo melhorou”, conta.

Maria de Jesus recebeu pulmões novos e todo o acompanhamento multidisciplinar que precisava para se recuperar. “Foram seis meses de fisioterapia, acompanhamento com psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais e enfermeiros. Também participo do Programa Caminhada do Bosque, onde fazemos atividades físicas com orientação dos profissionais do hospital. Me sinto muito bem acolhida aqui”, revela.

Hospital de Messejana

O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes é uma unidade terciária, especializada no diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas e pulmonares, dispondo de todos os procedimentos de alta complexidade nestas áreas e destacando-se no transplante cardíaco e pulmonar. A instituição é gerenciada pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará e atende pacientes dos 184 municípios do Ceará e das regiões Norte e Nordeste do país.