Economia e Educação: Governo do Ceará apresenta atuação do Estado a alunos de escola do Exército Brasileiro

17 de agosto de 2017 # # #

Fotos: Marcos Studart / Governo do Ceará Caio Faheina Repórter / Célula de Reportagem

O encontro, no Palácio da Abolição, expôs a gestão do Estado em cenários como o econômico e o educacional. Ao todo, participaram 21 discentes da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro (Eceme)

O Governo do Ceará, por meio da vice-governadora Izolda Cela e do secretário da Fazenda, Mauro Filho, recebeu, nesta quinta-feira (17), 21 alunos da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro (Eceme), instituição de ensino do Exército localizada no Rio de Janeiro. O encontro, realizado no Palácio da Abolição, é uma forma de apresentar a majores e tenentes-coronéis da escola a atuação do Estado em frentes como gestão fiscal e educacional.

A vice-governadora Izolda Cela abriu a reunião comentando sobre o empenho do Governo do Ceará na promoção de políticas públicas voltadas para a educação. A professora destacou trabalhos como o Programa de Aprendizagem na Idade Certa (Paic) e a ampliação de Escolas de Tempo Integral. “Já temos algumas respostas relacionadas à articulação dessa força e compromissos. A gente entende que, sem um escola pública de qualidade, nós não nos salvamos”, argumentou.

Explanando sobre a situação fiscal do Ceará, o secretário Mauro Filho ressaltou o desempenho do Estado num contexto de crise política-econômica pela qual o País passa. O gestor destacou, ainda, a relevância desse encontro para o cenário brasileiro. “É um aprendizado nacional, de ampliar as interfaces de vários estados. Reputamos isso como de extrema relevância para o País”, disse.

Ao todo, 115 alunos da Eceme estão distribuídos pelas cinco regiões brasileiras. O major Charles Bitencourt é um dos 21 discentes que foram direcionados para o Nordeste. Ele comenta sobre a importância dessa interação dos militares com os estados. “ A prioridade é deslocar profissionais que nunca tiveram contato profissional com essas regiões. Eu, por exemplo, não conhecia o Nordeste. E isso é importante para que possamos conhecer todos os campos do poder (militar, econômico, psicossocial) dos estados da Federação”, afirmou.

Estavam presentes no encontro, ainda, o comandante da 10ª Região Militar, o general de Divisão Stevam Teófilo; o chefe da Casa Militar do Governo, coronel Túlio Studart; e o coordenador da Eceme, coronel Carlos de Francisis.