Hospital César Cals realiza treinamento em endometriose profunda

24 de agosto de 2017 # #

Assessoria de Comunicação do HGCC Wescley Jorge ascom@hgcc.ce.gov.br / 85 3101.5323 Facebook.com/HospitalGeralCesarCals

Uma doença que pode levar mais de oito anos para ser diagnosticada porque os sintomas são comuns a outras enfermidades, como a síndrome do intestino irritável. Assim é a endometriose, que atinge mulheres em idade fértil. A doença causa dores intensas e afeta consideravelmente a qualidade de vida. Para permitir um tratamento cada vez mais adequado e ofertar um serviço especializado, o Hospital Geral Dr. César Cals, da rede pública do Governo do Ceará, realiza o I Mutirão de Endometriose, com treinamento em serviço e transmissão ao vivo da cirurgia, nos dias 25 e 26 de agosto. A transmissão terá início às 13 horas, na sexta-feira, e às 8 horas, no sábado.

Podem participar médicos ginecologistas, coloproctologistas, urologistas, anestesistas, residentes, internos, bem como enfermeiros. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail mcmelojr@hotmail.com . Ao todo, foram disponibilizas 40 vagas para participantes do HGCC e de outros hospitais. O treinamento é realizado em parceria com o Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas. O objetivo é conscientizar os profissionais de saúde e a comunidade em geral sobre o diagnóstico e o tratamento da endometriose e ainda, apresentar aos profissionais as técnicas cirúrgicas padronizadas para melhor desempenho do procedimento e os tipos de tratamento clínicos e medicamentosos da doença.

Cinco pacientes, previamente selecionadas no ambulatório de ginecologia do Hospital César Cals, passarão pela cirurgia nos dois dias. É o caso de Maria Regina Rodrigues de Sousa Martins, de 42 anos, sargento da polícia militar. Mãe de um jovem de 20 anos, ela conta que tinha o sonho de também ter uma filha, o que não foi possível. Em 1998, ela teve um aborto e as dores sempre se intensificavam. A doença só foi detectada durante uma cirurgia de histerectomia, realizada em 2013. “Mesmo eu sempre indo ao médico constantemente, a endometriose nunca havia sido detectada”, lembra Regina. O que ela mais deseja após o procedimento é voltar a ter mais qualidade de vida e praticar esportes. “Eu espero ter uma vida sem dores”, diz esperançosa.

No caso de Maria Regina, a endometriose é ainda mais específica por já atingir outros órgãos, como intestino e bexiga. As dores são ainda maiores. “É tanta dor que eu acho que vou desmaiar”, afirma. Pacientes como ela são atendidas no Serviço de Endometriose Profunda do HGCC, estruturado em 2016. Para o diretor geral Antônio Eliezer Arrais Mota Filho, o Hospital César Cals reúne todas as condições necessárias para esse tipo de cirurgia, com equipamentos de vídeos modernos e estrutura técnica de suporte. “O Hospital César Cals disponibiliza no serviço público uma equipe multidisciplinar para possibilitar atender mulheres que sofrem com a doença”, destaca.

Durante os dois dias, os procedimentos cirúrgicos serão transmitidos ao vivo para os profissionais participantes. Além disso, haverá também palestras e debates sobre o diagnóstico, tratamento e as técnicas cirúrgicas. Conforme explica o médico Marinaldo Cavalcanti Melo Júnior, a endometriose “ocorre quando o tecido que reveste o interior do útero cresce fora dele, geralmente na superfície de órgãos na cavidade pélvica e abdominal”. Os principais sintomas são dor pélvica, fluxo menstrual intenso, dor durante a relação sexual, infertilidade, além de sintomas do intestino e da bexiga, que também podem ser identificados. “A dor pode ser intensa ao ponto de afetar a qualidade de vida de uma mulher, comprometendo as funções social e profissional. Mas ainda há algumas mulheres que são assintomáticas”, explica o médico.

No Hospital Geral César Cals, as pacientes são acompanhadas no ambulatório de ginecologia, onde após consultas e exames, são classificadas conforme as características clínicas da doença e indicação cirúrgica. É feito um acompanhamento por meio de uma avaliação prévia da história da paciente, casos na família, exames físicos e exames pré-operatórios indicados para o planejamento da cirurgia. Por mês, 15 cirurgias são realizadas. O procedimento é indicado quando a paciente apresenta sintomas, como dores, e não melhora com o tratamento clínico, como medicação, acupuntura, fisioterapia etc. E ainda quando os exames de imagens detectam nódulos e lesões que atingem outros órgãos pélvicos, além do útero.