PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

De programa à política pública: Mais Infância Ceará entregou mais de 500 equipamentos em todo o estado

14 de novembro de 2022 - 15:48 # # # # # # #

Ascom SPS - Texto e fotos

Enquanto as filhas treinam em diferentes espaços do Complexo Social Mais Infância do João XXIII, Adneide Silva, 49, conversa com outra mãe e conta da alegria que é ver Julia, 9, e Mariana, 13, se desenvolvendo tão bem nas atividades que escolheram praticar. “Quando eu soube desse equipamento aqui no bairro decidi trazer as duas. Primeiro porque uma delas estava com início de diabetes e precisava de atividade física urgente e também para ocupar o tempo delas com coisas construtivas”, revela a mãe, toda orgulhosa das suas meninas.

Júlia e Mariana fazem parte dos 935 beneficiários que utilizam o equipamento, seja nas oficinas de arte, esporte e cultura, ou nos cursos profissionalizantes ofertados através do equipamento, que é coordenado pela Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos do Ceará (SPS) e integra o programa Mais Infância Ceará.

Júlia Silva treinava violão e teclado no Complexo Mais Infância e agora faz aulas de Dança Rítmica. “Nas aulas estou aprendendo não só os diferentes ritmos de danças, mas também entendi que todas as pessoas devem ser tratadas igualmente. Aqui eu me sinto livre para dançar como eu quiser e me sentir bem”, diz a aluna, entre um passo e outro na sala de dança.

Ao lado, na quadra esportiva, sua irmã, Mariana Silva treina vôlei e mostra que tem talento para o esporte. “Sempre me identifiquei com essa modalidade e aqui percebi o quanto posso evoluir como atleta e como pessoa. Eu venho para os treinos três vezes por semana, mas queria muito mais”, explica a adolescente.

Mais adiante, acordes de violão vão ganhando vida nas mãos de Cauã Deivide, 16, que é fã do George Michael e pensa em ser professor de música. “Estou aprendendo muito nas aulas de música. Nestes cinco meses tenho me esforçado bastante para aprender a tocar as letras que mais gosto, que são as mais antigas e, quem sabe, daqui uns meses, posso ensinar também”, revela Cauã, empolgado com as notas que tira do violão.

Cuidar das crianças de forma integrada

Neste mês de novembro, o Programa Mais Infância chegou a marca de 520 equipamentos inaugurados, na Capital e no interior. São 106 Centros de Educação Infantil, 200 Brinquedopraças, 30 Praças Mais Infância; 150 Brinquedocreches; 21 Núcleos de Estimulação Precoce; 2 Fábricas do Mais Nutrição; 5 estações do Praia Acessível; 3 Complexos Mais Infância; a Cidade Mais Infância; o Espaço Mais Infância e um espaço na Biblioteca Pública Estadual do Ceará.

Equipamentos como as brinquedopraças, contemplam mães como Liviane Oliveira, 25, que brinca com a filha Maria, de 1 ano e oito meses, na brinquedopraça do Parque Dom Aloísio Lorscheider, no Itaperi. Liviane se entusiasma ao falar do parquinho e dos brinquedos do espaço. “Este é um dos poucos locais adequados para ela brincar e se desenvolver, por isso venho quase toda tarde com o pai dela para termos esse momento de relaxamento e de brincadeiras juntos”, ressalta Liviane, que mora no bairro Mondubim, nas proximidades do Itaperi.

Idealizadora do Programa Mais Infância Ceará e secretária titular da SPS, Onélia Santana destaca que o propósito maior do programa é cuidar das crianças cearenses de forma integral e integrada.

“O Programa Mais Infância Ceará é fruto de uma construção coletiva do Governo do Ceará. O programa passa por secretarias diversas, todas com um só propósito: construir um presente e um futuro mais igualitário, onde nossos pequenos tenham pleno acesso a educação, saúde, lazer, alimentação de qualidade e a todos os direitos que lhes são assegurados pela nossa constituição”, destaca Onélia Santana.

A secretária lembra que o Mais Infância evoluiu de programa a política pública, o que significa um compromisso do Estado com o desenvolvimento infantil. “O Mais Infância é um dos maiores programas de desenvolvimento infantil do País e mostra a responsabilidade do Ceará com nossos meninos e meninas. Investir na infância é, sem dúvida, investir em valores para a construção de uma sociedade mais justa, mais igualitária, saudável e democrática”, pontua.