Mais de cem internas podem ser beneficiadas com indulto do Dia das Mães

5 de maio de 2017 # # # # #

Assessoria de Comunicação Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará - (85) 3101-2862 www.sejus.ce.gov.br email: ascom.sejus@gmail.com twitter:@sejus_ce facebook: sejusceara

A Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) entregou uma relação com 109 nomes de internas do Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa aos juízes das Varas da Execução Penal e da Corregedoria de Presídios. A lista atende ao decreto presidencial que concede indulto especial e comutação de penas às mulheres presas por ocasião do Dia das Mães. Agora, cabe ao Judiciário analisar os casos apresentados e decidir quais mulheres serão beneficiadas com a medida.

O indulto é uma espécie de extinção da pena prevista no Código Penal e na Lei de Execuções Penais e atende a requisitos como não ter condenação superior a oito anos, que os crimes praticados não tenham sido mediante grave ameaça ou violência contra a pessoa, entre outros. Já a comutação é a redução da pena, calculada sobre o que resta da pena a ser cumprido. Os dois benefícios são concedidos apenas mediante decreto da Presidência da República.

O indulto, publicado no último dia 12 de abril, concede o benefício às mulheres presas já condenadas, priorizando as mães e avós de crianças até doze anos ou de qualquer idade se pessoa com deficiência que comprovadamente necessite de seus cuidados e esteja sob sua responsabilidade. O benefício também contempla mulheres gestantes cuja gravidez seja considerada de alto risco.

Para a secretária da Justiça e Cidadania, Socorro França, o benefício leva em consideração aspectos importantíssimos para a formação dos novos cidadãos. “A primeira infância é fundamental para a formação do indivíduo. Possibilitar que a criança e a mãe estejam juntas nesse momento é ampliar as condições de essa criança ter um futuro melhor e não parar em uma unidade prisional quando adulto”, destaca.

A diretora da unidade prisional, Lurdes Portela, observa que a medida pode beneficiar muitas mulheres e auxiliar na redução da superlotação da unidade prisional. “Fizemos uma pesquisa detalhada e chegamos a 109 mulheres que podem ser beneficiadas. Torcemos agora para alcançarmos bons resultados”, destaca a diretora.