Atividades marcam o mês de enfrentamento ao tráfico de pessoas

10 de julho de 2017 # # #

Assessoria de Comunicação Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará (85) 3101-2862 www.sejus.ce.gov.br email: ascom.sejus@gmail.com twitter:@sejus_ce facebook: sejusceara

O tráfico de pessoas figura entre as três maiores atividades criminosas do mundo, de acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Também segundo a instituição, é um dos crimes que mais gera prejuízos incalculáveis à vida da vitima.

No mês de julho, o alerta sobre o tema se evidencia. Desde 2013, o dia 30 de julho é marcado como o Dia Mundial Contra o Tráfico de Pessoas. Para dar visibilidade à campanha e informar sobre as formas de combater o crime, o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (NETP) da Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) realiza, nos dias 10 e 12 de julho, uma oficina sobre o tema para jovens participantes do Projeto ViraVida, no SESI da Parangaba.

“Na maioria das vezes em busca de melhoria de vida e sem perspectiva da realidade que enfrentarão na mão dos aliciadores, muitas vítimas têm dificuldade em se comunicar e denunciar os casos”, alerta a psicóloga do Núcleo, Ingrid Borges. Por isso, o NETP tem um trabalho de divulgação do assunto e sensibilização de possíveis vítimas para o assunto.

Na oficina, os presentes participarão de exibição de vídeos seguida de palestra e roda de conversa com o intuito de prevenir e capacitar sobre a problemática do tráfico, expondo o conceito, as formas de aliciamento e de prevenção do crime.

Além das atividades com a juventude, o Núcleo pretende alcançar o público em geral com ações de conscientização programadas para a última semana do mês nos Vapt Vupts da capital. A psicóloga do NETP, Ingrid Borges, afirma que é essencial a participação de multiplicadores da sociedade civil para um combate eficaz a esse tipo de crime: “Precisamos ampliar a participação da sociedade e das instituições públicas e privadas para dar cada vez mais visibilidade às ações desenvolvidas pelas redes de combate ao tráfico”, afirma.