Medalha Ivens Dias Branco: José Dias de Macêdo é o primeiro homenageado com a comenda

2 de agosto de 2017 # #

Caio Faheina - Repórter / Célula de Reportagem
Fotos - Tiago Stille / Governo do Ceará e Arquivo Pessoal

O pioneirismo e a trajetória de José Macêdo são recontados por Roberto Macêdo, um dos oito filhos do camocinense de quase 100 anos

Os quase 80 anos de investimentos e de crença numa economia cearense possível marcam não só a memória do empresário José Dias de Macêdo. São cerca de oito décadas que narram, também, a vanguarda da economia brasileira. Prestes a completar 98 anos, no próximo dia 8 de agosto, José Macêdo, que intitula uma das mais consagradas empresas alimentícias do País, a J.Macêdo –, é o primeiro homenageado com a medalha Ivens Dias Branco. A comenda, a ser oficializada nesta quinta-feira (3), no Palácio da Abolição, reconhece empreendedores que contribuíram – e contribuem – com serviços que impulsionaram o desenvolvimento econômico no Estado.

“Eu demorei a responder porque senti uma felicidade muito grande. A lembrança que a equipe do Governo (do Ceará) teve, de encontrar nele a pessoa que seria homenageada com a primeira medalha…”, emociona-se Roberto Macêdo, 73, um dos oito filhos do “senador”– como se reporta ao pai –, ao recordar a ligação que o governador Camilo Santana lhe fizera para dar a notícia; e no tempo que levou para compreender a relevância da honraria. “Nessa mesma hora veio um filme da história dele. A gente fica confortável porque sente que ele merecia”, emenda.

Ex-suplente de senador da República (1971-1987), tendo assumido a cadeira de titular no último mandato, o também ex-deputado federal (1959-1971) José Macêdo recebeu premiações de diversas ordens pelo desempenho importante nas economias cearense e brasileira. Prêmio Tendência (Empresas Bloch), Troféu Sereia de Ouro (Grupo Edson Queiroz) e Medalha da Abolição (Governo do Ceará) estão entre as principais homenagens.

A medalha Ivens Dias Branco, entretanto, segundo Roberto, possui uma representatividade mais afetiva. “O Ivens era um grande amigo, admirado por meu pai pelo seu trabalho, sua inteligência. Ele era nosso cliente até construir o próprio moinho (de trigo). O Ivens era uma pessoa muito leve; a gente sentia nele uma pessoa muito educada, gentil. Os dois realmente se davam muito bem e se completavam, apesar de serem concorrentes”, rememora o filho.

Na condecoração, Roberto representará o pai. Ordens médicas indicam que José Macêdo evite fortes emoções. Motivo pelo qual o empresário, também economista, não participou desta entrevista.

Pioneirismo

Em 1952, após experiências comerciais nos Estados Unidos, José Macêdo conseguiu licença para a importação de farinha de trigo no Ceará. Dois anos depois, o camocinense, juntamente com os irmãos, decidiu abrir a própria indústria, no Moinho de Trigo Fortaleza, com produção independente de farinha. Local onde, hoje, encontra-se a fábrica Dona Benta, uma das marcas mais consistentes do grupo J.Macêdo, que também apresenta as assinaturas Sol, Petybon, Brandini, entre outras. Líder de mercado no segmento, Dona Benta foi a primeira a vender farinha de trigo em embalagens transparentes e a que fez a primeira farinha fermentada no País.

Na década de 1970, os negócios se ampliaram e mais moinhos foram adquiridos, principalmente em Alagoas e Bahia. O período foi de consolidação do grupo J.Macêdo, que entrou de vez no mercado de massas e biscoitos. E não parou por aí.

“Meu pai foi sempre uma pessoa que procurou ser pioneira no que fazia. Esse pioneirismo está representado na inauguração do primeiro moinho de trigo no Ceará, depois veio a primeira fábrica de transformadores, depois a fábrica de tintas (usando matéria-prima daqui, o calcário arenítico), primeiro frigorífico industrial, primeira cervejaria (Astra), primeira fábrica de pneus genuinamente brasileira”, enumera, com ar de orgulho, o ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec – 2006 a 2010).

Antes disso, em 1947, José Macêdo já figurava como investidor econômico em potencial no Estado. Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o empresário tornou-se representante da marca norte-americana Jeep. “Como as pessoas não sabiam dirigir, ele também montou a primeira autoescola. Ele sempre foi uma pessoa muito criativa”, reconhece Roberto.

O histórico de êxito da empresa, analisa o filho, continuador do empreendedorismo familiar, só foi possível porque o pai “sempre procurou investir na capacitação dos servidores”. A empresa foi a primeira no Estado a realizar pagamento de 13º salário antes do benefício ser legal. Hoje, mais de três mil funcionários são empregados pelo grupo, que oferta academias para promover educação e cultura para os colaboradores. “A inovação e a formação de profissionais sempre foi uma das regras na cabeça do meu pai. Tudo isso faz parte de uma visão permanente, com olho no futuro”, alonga-se. E lembra: “Uma vez perguntaram a ele qual era o segredo do sucesso. Ele, prontamente, respondeu: ‘Sempre procurei me cercar de pessoas melhores do que eu’”.

Medalha Ivens Dias Branco

A medalha Ivens Dias Brancos foi instituída no âmbito do Poder Executivo em agosto de 2016. Concedida anualmente, com comenda única, a medalha tem por finalidade agraciar “os que tenham tornado merecedores do reconhecimento do Poder Executivo em razões de ações, feitos ou outras iniciativas em prol do desenvolvimento econômico do Estado do Ceará”, como descreve a publicação no Diário Oficial do Estado. A escolha do agraciado se dá através de lista de indicados representativa das câmaras setoriais que representam as cadeias produtivas do Estado, enviada ao Executivo pela Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece).

Ivens Dias Branco (1934-2016) foi um dos mais bem sucedidos empresários do Ceará. Iniciou sua vida profissional em 1953, trabalhando ao lado de seu pai, Manuel Dias Branco, na Padaria Imperial, um pequeno negócio da família. Com determinação, logo a transformou no que hoje é a M. Dias Branco, uma das empresas mais renomadas na fabricação de massas e biscoitos em escala industrial do Brasil. Atualmente, o grupo tem 12 fábricas e 29 filiais comerciais espalhadas pelo País. O empresário morreu em 2016 por complicações cardíacas.

 

Serviço
Cerimônia de Entrega da Medalha Ivens Dias Branco
Data: 03.08.2017 (quinta-feira)
Horário: 19 horas
Local: Palácio da Abolição (Rua Silva Paulet, 400, Meireles)